Swipe to the left

NA OCA DO IBIRAPUERA: BY KAMY NO CHINA ARTE BRASIL

Imprimir
By kadu 9 de abril de 2014

O HSBC Bank Brasil apresenta a exposição ChinaArteBrasil de 10 de abril a 18 de maio na Oca, no Parque Ibirapuera, em São Paulo. Com realização da G11 e do Ministério da Cultura, a mostra exibe pela primeira vez no Brasil um panorama único da arte contemporânea chinesa, reunindo mais de 110 obras de 62 artistas, todas inéditas em São Paulo.

Na seleção, estão grandes nomes presentes no cenário internacional desde a década de 1990, com destaque para Ai Weiwei, Luo Brothers, Ma Liuming, Miao Xiaochum, Ni Weihua, Qu Yan e Yin Xiuzhen, até representantes da novíssima geração.

Com curadoria das historiadoras de arte Ma Lin, de Shangai, e Tereza de Arruda, brasileira residente em Berlim, ChinaArteBrasil propõe intensificar o diálogo cultural entre Brasil e China, países de tradições e contextos tão distintos, mas que muitas vezes caminham lado a lado. Grandes propulsores dos BRICS (grupo que une Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e sedes de importantes eventos internacionais, como os Jogos Olímpicos, Brasil e China atraem cada vez mais olhares mundiais não apenas para o potencial econômico, mas também para o contexto artístico e cultural de ambos.

A exposição traz uma grande variedade de obras, com diversos tipos de linguagens e médias artísticas, como pinturas, esculturas, instalações, fotografias, vídeos, site specifics, performances, arte têxtil e arte antigas. O acervo percorre diferentes tempos históricos da arte chinesa, contemplando desde obras de períodos dinásticos até seu momento mais contemporâneo, surgido após o ano 2000.

Alguns dos trabalhos foram criados especialmente para a exibição ChinaArteBrasil, como as de Wang Qingsong, Wang Shugang, Xiong Yu e da dupla Rong Rong & Inri. Já as produções de Lu Song e Yuang Gong só serão conhecidas aqui. Os artistas vêm para São Paulo para desenvolver suas obras para apresentação dentro da Oca e possivelmente ações em outros espaços da cidade.

Entre os destaques, estão obras monumentais como pinturas com mais de 16 metros (Wang Shun-Kit), diversas projeções interativas (Jin Jiangbo), uma projeção na cúpula da Oca em larga escala (Miao Xiaochun) e grandes instalações (Ai Weiwei, Rong Rong & Inri, Wang Qingsong, Yuan Gong). Provenientes dos próprios artistas e de acervos da China e Europa, os trabalhos revelam uma essência introspectiva e autocrítica, mas também muito humor e ironia.

Sopro de vida – Breath of Life

Uma escultura toda feita de nylon, que através da utilização da luz proporciona um efeito tridimensional. Desenvolvida por Zhao Dandan com o uso de materiais mais rudes, trazendo a ideia do espaço urbano. Dentro da escultura, construiu tentáculos em material sintético com um apelo de inserir o natural ao concreto.

A outra margem – The Other Shore

As pedras que ficavam às margens dos rios nos jardins chineses tem um significado histórico de energia e relação divina. A artista Bai Xin desenvolveu uma composição de pedras de isopor revestidas em retalhos de tecidos, como um trabalho de marchetaria, extremamente minucioso, a fim de remeter à importância das pedras de uma maneira romântica e poética.

Cidade da floresta – City Forest

Jin Ansha criou uma representação da cidade de Pequim como floresta. Em diversas placas de acrílico, construiu com canudinhos de plástico como seria o espaço preenchido pela variedade de plantas, criando um efeito de cores com a iluminação, que remete às proporções monumentais da metrópole chinesa. A obra é apresentada com simples assentos à sua volta para possibilitar a contemplação da cidade de diversas alturas.

Confúcio disse – Confucius Said

Confúcio foi um pensador e filósofo chinês. A obra realizada pelo artista Wang Jian, com saquinhos de sílica colocados sobre um tear metálico, traz a intenção de que o mestre teria algo a dizer, passando adiante um ensinamento. Um de seus mais conhecidos dizeres é “Se queres conhecer o futuro, estudes o passado.”

Instalação kimono – Kimono Installation

Criada por Li Yanhong, a instalação feita dos tradicionais quimonos, em tamanho reduzido, colocados um sobre o outro com as variações de cores desde o branco, tons de cinza até o preto. O branco é a união de todas as cores e o preto é a ausência de luz. Apesar de serem cores opostas são valorizadas pelos chineses pelo sentido de se complementarem, de representarem equilíbrio e energia.

Você e eu II – You and Me II

A obra foi feita por Yue Song, atualmente conhecido como um dos maiores artistas chineses, reconhecido pelo uso de tiras de tule cortadas em seus trabalhos, trazendo a visão tridimensional através das nuances das cores. O artista utiliza alfinetes para segura-los e estabelecer as diversas interligações entre ele e o expectador.

Girassol - Sunflower

Tapeçaria feita com pontos bem finos por Qin Tianjian mostra um prisma diferente da China. Em uma época em que os seus camponeses foram importantes para o país, eles são retratados felizes, prontos para um novo futuro com a estética do POP ART.

Milagre - Miracle

Vasos em forma de cestos populares feitos em laca servem de base para as anêmonas do artista Zhang Lei. A riqueza das cores da vida marinha é representada com tentáculos feitos de canudos de alumínio, todos revestidos em chenille com tons de azul e verde.

Querido Lin (O Professor) – Dear Lin (The Teacher)

A obra de arte feita por Tian Weiping em forma de tapeçaria é uma homenagem ao professor da universidade, Lin Le Cheng – o próprio mestre. O professor é visto como uma figura de vanguarda e conhecimento, ao mesmo tempo o avanço e a busca de uma nova China. A preciosidade da tessitura pela técnica de tufted consegue captar a precisão da imagem como se fosse uma foto.

Tapete Lótus

Uma linha de tapetes inspirada pelos ancestrais pratos chineses." Ao percorrer os museus da china, percebi de imediato como os ingleses foram capazes de produzir louças tão especiais. Fiquei com vontade de também reinterpretar tudo aquilo dentro do que sei fazer de melhor”, declara Francesca Alzati.

Peças diferente para um hall de entrada ou recepção, elas são como desejar boas-vindas aos visitantes. Ou ainda servindo de moldura a móveis que tenham um significado especial para seus donos”. Nestes tapetes destacam-se a riqueza artesanal dos trabalhos, totalmente executado em oficinas chinesas. “Eles trabalham com técnicas tradicionais, mas totalmente afinadas com nossos atuais padrões de qualidade”.

Tapete Dragão de Fogo

Nome: Exposição China Arte Brasil

Local: Oca do Ibirapuera

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral – Portão 3

Período: 10/04 a 18/05

Horário: terça a domingo, das 9h às 18h, e quinta, das 11h às 21h

Entrada: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia), as terças a entrada é gratuita

Tel.: 11.3105.6118