Swipe to the left

Instituto de Arte de Chicago recebe exposição de Tarsila do Amaral

Imprimir
By Nicole Nigro 21 de novembro de 2017

Foto retirada do site oficial da Tarsila do Amaral


Um dos museus mais importantes e antigos dos Estados Unidos, O Instituto de Arte de Chicago, recebe obras icônicas de uma das maiores artistas brasileiras, Tarsila do Amaral (1886-1973).

Localizado em Ilinis, o acervo do museu possui mais de 300.000 e inclui nomes importantes como Pablo Picasso, Edward Hopper e Georges Seurat e é conhecido por ações em curadoria que atraem grande número de visitantes.

Essa é a primeira vez, que o trabalho da artista recebe exposição norte-americana, levando ao público internacional, obras simbólicas que ressaltam a sua importância como uma das maiores representantes do movimento modernista do Brasil.


Foto retirada do site oficial da Tarsila do Amaral


Na exposição aberta ao público até 7 de janeiro de 2018, será possível ter contato com pinturas como A Negra (1923), Abaporu (1928) e Antropologia (1929) que focam na fases artísticas de Tarsila, denominada Pau - Brasil (1924-1927), além de mais de 70 quadros, desenhos e fotografias produzidas em viagens para o exterior, incluindo sua estada em Paris e a influência de representantes do cubismo como Fernand Léger, André Lhote e Albert Gleizes em suas obras, além de vontade de produzir uma identidade única para arte brasileira, em viagens feitas para Minas Gerais e Rio de Janeiro e que tinham como redescobrir o Brasil, criando uma identidade própria da arte nacional.


Fotos retiradas do site oficial da Tarsila do Amaral


Após a apresentação em Chicago, a exposição “Tarsila do Amaral: Inventing Modern Art in Brazil”, será transferida para o Museu de Arte Moderna de Nova York, de 11 fevereiro a 3 junho de 2018.


Tarsila do Amaral para by Kamy, clique aqui e saiba mais!

Em parceria exclusiva com o Instituto Tarsila do Amaral, a by Kamy é a única marca autorizada a reproduzir o trabalho da artista de forma têxtil, o resultado desse trabalho por ser conferido em tapetes, almofadas e com destaque para as tapeçarias produzidas por mestres chineses conhecedores de antigas técnicas de produção manual, incluindo a reprodução de peças como Abaporu e Antropofagia.